Projetos Culturais

rio-cidade-iluminada1

“Rio Cidade Iluminada” de Cesar Duarte- 2001

Nos tempos em que Ipanema era um imenso areal, a paisagem carioca já era a grande musa dos fotógrafos. De fato, o Rio só perdia para Paris o título de cidade mais fotografada do mundo.

Cento e setenta anos após a chegada do primeiro daguerreótipo, os cariocas começaram a redescobrir os dotes fotogênicos de sua terra. Auxiliados pela renovação do cenário ocorrida com a estabilização monetária e, principalmente, após o projeto Rio Cidade Maravilhosa, os profissionais da imagem vêm documentando sua musa sob os mais diversos ângulos.

O projeto editorial “Rio – cidade iluminada” optou por retratar os contornos do Rio coloridos pelo crepúsculo e pela tonalidade peculiar da iluminação urbana. O efeito surgido desta combinação revela momentos de rara beleza, tanto nos já famosos cartões postais como Corcovado e Pão-de-Açúcar, quanto em locais pouco conhecidos por visitantes.

As imagens são acompanhadas de textos de autores consagrados, dentre tantos que cantaram o Rio em verso e prosa, como Affonso Romano de Sant’anna, Ferreira Gullar, Antônio Cícero, Marques Rebelo e muitos outros. As paisagens – espalhadas pelas zonas Norte, Sul e Oeste – refletem o olhar do autor, o fotógrafo César Duarte, profissional com extenso currículo em publicidade, foto-arte e industrial. Carioca apaixonado, não mediu forças para revelar aos leitores aquilo que José Américo de Almeida expressou tão bem em A Bagaceira.

“Ver bem não é ver tudo. É ver o que os outros não vêem.”

interiores1

“Interiores” texto de Patrícia Vasconcelos e Sergio Pagano- 2002

O livro Interiores registra a parte interna de 86 dos 3 mil imóveis que integram o Corredor Cultural do Rio de Janeiro. Com cerca de 150 fotos, feitas pelo fotógrafo Sergio Pagano, e textos de Patrícia Vasconcellos, o livro é uma viagem através do que houve – e ainda há – de melhor no interior de alguns prédios do Centro do Rio e arredores.

O Corredor Cultural é composto por prédios e casas espalhados pela Praça Quinze, Saara, Largo de São Francisco, Lapa e Cinelândia, de onde foram preservadas cerca de 1.600 fachadas e telhados construídos entre os séculos XIX e XX.

Patrícia Vasconcellos e Maria Pace Chiavari visitaram os 1.600 imóveis, registrando os mais significativos para a história da cidade e as mudanças que ocorreram nos últimos 16 anos. O projeto foi complementado pela lente de Sergio Pagano, que fotografou – sempre de um ângulo de fácil identificação – os interiores de cada um dos prédios selecionados pelas arquitetas.

Patrícia assina os textos, mas divide espaço com vários autores da literatura brasileira, como Machado de Assis, José de Alencar e João do Rio, entre muitos outros. São trechos de crônicas dos séculos passados que explicam como era a vida nos locais registrados pelas fotos.

Segundo a autora, Interiores pode ser lido de três maneiras diferentes. O leitor pode apenas folhear o livro, vendo as fotografias e lendo as legendas, identificando os locais retratados e descobrindo as mudanças que cada um sofreu ao longo dos anos. Outra leitura é acompanhar o texto, que explica o projeto do Corredor Cultural e apresenta a história de cada local, com informações mais detalhadas. A terceira é ler os textos dos autores brasileiros, que freqüentaram aqueles lugares e conheceram a vida de cada um deles, sem as interferências dos dias atuais.

noel-rosa-o-poeta-do-samba-da-cidade1

“Noel Rosa- o poeta do samba e da cidade” de André Diniz – 2010

Em comemoração ao centenário de nascimento de Noel Rosa, o livro do historiador e pesquisador musical Andre Diniz retrata a música e a cidade na época desse genial cronista do cotidiano. Ilustrado com fotos de época e com acabamento especial, o livro vem com CD inédito, com os maiores sucessos de Noel nas vozes de Alfredo Del-Penho, Soraya Ravenle e Carlos Didier.

na-passarela-do-samba1

“Na passarela do Samba – o esplendor das escolas em 30 anos de desfiles de carnaval no sambódromo” de André Diniz e Diogo Cunha – 2014

Na passarela do samba percorre em detalhes os 30 anos desde a construção do Sambódromo, palco fixo do maior carnaval do mundo.  Abordando cronologicamente os desfiles, o livro mostra a gênese das escolas e também permeia as nuances políticas e históricas que determinaram o que hoje conhecemos como Carnaval carioca.
Esta obra completa e recheada de fotos inclui a história de desfiles que se destacaram na Avenida, relembra sambas-enredo que fazem parte do imaginário do carioca, acompanha a evolução das escolas, das madrinhas de bateria e das alegorias no decorrer desses 30 anos em que as escolas de samba fizeram história na Marquês de Sapucaí.

mata-atlantica-uma-historia-do-futuro1

“Mata Atlântica, uma história do futuro” de Fabio Rubio Scarano – 2014

Cerca de 60% da população brasileira, ou seja, aproximadamente 100 milhões de pessoas, vive na região da Mata Atlântica, ao longo de 17 estados brasileiros, do Ceará ao Rio Grande do Sul, passando por importantes centros urbanos como São Paulo e Rio de Janeiro. Ao apresentar o mosaico de habitats e ecossistemas que compõe esse bioma, o livro alerta para a importância da preservação, visando à sustentabilidade e às possíveis formas de coexistência de aglomerados urbanos e sua matriz ecológica. Uma reflexão contemporânea que mira o futuro.

Em edição bilíngue, com textos em português e inglês e cerca de 150 imagens, a obra também contempla o período anterior à chegada dos povos colonizadores ao Brasil, as transformações com a chegada da Corte Real e a institucionalização da ciência, até o momento de fragmentação do bioma, que ainda hoje conta com uma das mais ricas biodiversidades do mundo, comportando mais de 15.700 espécies de planta e mais de 2.200 espécies de vertebrados.

Sem título

“Rio Esportivo” de Victor Melo – 2015

Em um momento em que a relação entre o Rio de Janeiro e o esporte está sendo reforçada – com os Jogos Pan-Americanos de 2007, parte significativa dos eventos da Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos/Paralímpicos de 2016 –, chega às livrarias Rio esportivo, de Victor Melo, obra ilustrada que confere ao esporte um olhar histórico, apresentando ao leitor a maneira pela qual diversas modalidades esportivas se estruturam e se consolidaram na cidade. Debruçando-se sobre inúmeros eventos ocorridos da Colônia à República, o autor tece uma saborosa jornada cultural, social, antropológica, política e econômica pela história da Cidade Maravilhosa. A obra é uma realização da Secretaria de Cultura do Rio de Janeiro por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura.

 

Rio esportivo busca a cidade em seu conjunto, respeitando a divisão geográfica urbana (Centro, Zona Norte, Zona Sul e Zona Oeste) para abraçar o vasto conjunto de espaços e contextos que forma o Rio de Janeiro – das águas da Guanabara às de Sepetiba, passando pelos subúrbios ferroviários, pela Baixada de Jacarepaguá e por suas florestas e montanhas. Como resultado, o livro constrói sugestivas correlações que inauguram novos olhares sobre o Rio de Janeiro.

 

“Posso garantir que ninguém mais que Victor Melo se debruçou sobre a história esportiva carioca por tanto tempo e com tamanha intensidade, paixão e competência. Portanto, este livro nasce em colo certeiro, como a semente cuidadosamente plantada no melhor dos solos”, escreve no prefácio o geógrafo Gilmar Mascarenhas de Jesus. “Ao menos para mim, a cidade renasce no texto de Victor Melo. Polifônica, complexa, alegre, suada, galhofeira e tão carioca”, completa.

 

Trata-se de uma abordagem panorâmica, dedicada tanto ao público em geral quanto àqueles que já se dedicam aos estudos do esporte e do Rio de Janeiro. Por meio de fotos raramente vistas, curiosidades e um olhar de cronista, Rio esportivo deixa claro que a história do esporte é uma história da cidade: todos os movimentos pelos quais passou a urbe deixaram registros em suas iniciativas esportivas.

 

O autor

Victor Melo é Professor do Programa de Pós-Graduação em História Comparada/IFCS e da Escola de Educação Física e Desportos, além de pesquisador do Programa Avançado de Cultura Contemporânea. Coordena o Projeto “Esporte e Arte: Diálogos”. É autor de Futebol por todo o mundo: diálogos com o cinema (2006) e O esporte vai ao cinema (2005), entre outros.

 

Rio esportivo

Autor: Victor Melo

Casa da Palavra

208 páginas

!cid_image001_png@01D20AAC

“Bibliotecas do Mundo” de Daniela Chindler – 2016

Sete bibliotecas muito diferentes, mas com algo em comum.

Biblioteca de Alexandria, a mais famosa da Antiguidade; Biblioteca Nacional, mais velha que o Brasil; Biblioteca de Basra, sobrevivente de guerra; Biblioteca do Mindlin, a biblioteca de um homem só; Biblioburro, a de livros ambulantes; Biblioteca Internacional da Juventude, a maior de literatura infantojuvenil do mundo; e Biblioteca-Parque da Rocinha, a biblioteca da nova geração.

Conheça a história de bibliotecas clássicas, modernas, exóticas e até daquelas que sobreviveram à guerra. Neste livro, elas são contadas por personagens de conto de fadas, animais falantes, filósofos da Antiguidade e bibliotecários, que viveram essas aventuras pessoalmente. Em forma de conto, são ilustradas por grandes artistas, de traço e estilo variados, ampliando o universo da escrita e da imagem sobre os mais diversos lugares e épocas.

Descubra o que todas essas bibliotecas têm em comum. Novos mundos que vão encantar crianças e formar leitores por todo o Brasil.

As ilustrações são de MARIANA MASSARANI, BRUNA ASSIS BRASIL, ANDRÉS SANDOVAL, ELMA, MARIO BAG, JULIANA BOLLINI E CIÇA FITTIPALDI.